Mãe de Jesus, Nossa Senhora dos muitos títulos

Maria é mãe e modelo da Igreja, que acolhe na fé a Palavra divina e se oferece a Deus como ‘terra fecunda’ onde Ele pode continuar a cumprir o seu mistério de salvação
(Papa Bento XVI. Homilia de 1° de Janeiro de 2012. Solenidade da Santíssima Mãe de Deus).

Porta do Céu, Estrela da Manhã, Nova Eva, Virgem Puríssima, Rainha da Paz, Senhora de Pentecostes, Arca da Aliança... Muitos sãos os nomes com os quais podemos chamar a Mãe de Jesus. Por isso ela é, também, a Senhora dos mil nomes. Particularmente, gosto de repetir algo que ouvi certa vez e chamá-la de “a primeira carismática”, pois ela, mais que todos, experimentou plenamente o Espírito Santo em sua vida, que a cumulou de dons e a fez “Cheia de Graça” (Lc 1,28).
Maria é para nós o modelo do cristão. Recorda-nos aquilo para o que fomos feitos. O plano original de Deus para a humanidade. E, ao nos recordarmo-nos nela, ela intercede por nós a fim de que também possamos dizer o nosso “Sim” constante e diário à Vontade do Pai. A propósito, escutamos com muita frequência sobre o Fiat de Maria pronunciado quando da anunciação do anjo e que lemos no Magnificat. Como disse, certa vez, o pregador da Casa Pontifícia, Pe. Raniero Cantalamessa: “Na verdade, Maria nunca disse ‘Fiat’, porque não falava latim, nem sequer grego. O que com toda probabilidade saiu de seus lábios é uma palavra que todos conhecemos e repetimos frequentemente. Disse ‘Amém!’. Esta era a palavra com a qual um hebreu expressava seu consentimento a Deus, a plena adesão a seu plano”¹.
Maria é o Amém do Pai, o puro e incondicional “Sim” à Sua Santa Vontade. E é nesta escola mariana que precisamos aprender como fazer da nossa vida um sim cotidiano. Desde que Jesus deu Maria por mãe a João: “Mulher, eis aí teu filho” (Jo 19,26), fazendo dela a Mãe da Igreja, esta, por sua vez, vem aprendendo e ensinando tal realidade a todos os fiéis, pois deste dia em diante, Nossa Senhora passaria não apenas a olhar por João, mas a partir deste Apóstolo, ela deveria proteger e ensinar a todos os discípulos de Jesus, dentre os quais estamos você e eu.
Não há porque ter restrições a Maria. Uma vez que Deus a constituiu a mãe de Nosso Senhor, é impossível separá-la de Jesus. A vida de Maria só pode ser entendida a partir da vida de Jesus. Do mesmo modo, não se pode separar Maria do Espírito Santo, pois sua vida foi toda repleta e preenchida por Ele. Por tamanha união, ela é a esposa do Espírito Santo. A própria existência do Filho implica uma união da esposa e do esposo para gerá-Lo. Esta união é Maria e o Espírito Santo. União que não há como separar mais um do outro, pois é eterna. O que o Espírito operou em Maria, assim o faz com a Igreja, da qual Nossa Senhora é “espelho”.
Se quisermos ser cheios do Espírito Santo, devemos aprender na escola de Maria. A escola de Pentecostes onde ela é a Mestra e, ademais, juntos com os primeiros discípulos aprendemos a chamá-la de Mãe e Mestra. Se quisermos chegar ao Pai e experimentar o seu amor, devemos nos achegar à Maria. Ela, sobre quem o Pai manifestou o seu amor à humanidade fazendo sair de um ser humano o seu Divino Filho. Finalmente, se quisermos ir a Jesus, precisamos passar por Maria. Assim como ninguém vai ao Pai senão pelo Filho, o meio mais rápido e eficaz de chegar ao Filho é pela Mãe. Isto é uma realidade inegociável: precisamos passar por Maria! Por isso ela é a Porta do Céu. E para irmos ao céu, podemos atravessar pela porta que é a Mãe.
Por ela passam todas as graças do Filho, por ela passaremos todos também quando findar nossa vida. Vemos em tudo isso o poder de sua intercessão e por esta razão intensificamos nossas orações ao pedir para ela rogar por nós: agora e na hora de nossa morte. Amém.

Fonte: Portal RCC Brasil
Foto: Reprodução

0 comentários:

Postar um comentário

Deixe abaixo o seu comentário: