Mensagem do Papa aos namorados


Queridos amigos, cada amor humano é sinal do Amor Eterno que nos criou, e cuja graça santifica a escolha de um homem e de uma mulher de se entregarem, reciprocamente, à vida no matrimônio. Vivei este tempo do namoro na expectativa confiante desse dom que deve ser aceito percorrendo um caminho de conhecimento, de respeito, de atenções que nunca deveis perder: só sob esta condição a linguagem do amor permanecerá significativa também com o passar dos anos. [...] Sede gratos a quantos vos acompanham na formação com zelo, competência e disponibilidade: são sinais da atenção e da solicitude que a comunidade cristã vos dedica. Não estejais sós: sede os primeiros a procurar e a acolher a companhia da Igreja. Gostaria de voltar mais uma vez a falar de um aspecto essencial:  a experiência do amor tem no seu interior a propensão para Deus. O verdadeiro amor promete o infinito! Por conseguinte, fazei deste vosso tempo de preparação para o matrimônio um percurso de fé: redescobri para a vossa vida de casal a centralidade de Jesus Cristo e do caminhar na Igreja. Maria ensina-nos que o bem de cada um depende do escutar com docilidade a palavra do Filho. Em quem confia n'Ele, a água da vida cotidiana transforma-se no vinho de um amor que torna a vida boa, bela e fecunda. De fato, Caná é anúncio e antecipação do dom do vinho novo da Eucaristia, sacrifício e banquete, no qual o Senhor nos alcança, nos renova e transforma. Não percais a importância vital deste encontro: a assembleia litúrgica dominical vos encontre sempre plenamente partícipes: da Eucaristia brota o sentido cristão da existência e um novo modo de viver (cf. Exort. ap. pós-sinodal Sacramentum caritatis, 72-73). Então, não tereis medo de assumir a importante responsabilidade da escolha conjugal; não receareis entrar neste «grande mistério», no qual duas pessoas se tornam uma só carne (cf. Ef 5, 31-32). [...]

Discurso do Papa Bento XVI no dia 11 de setembro de 2011. (fonte)

2 comentários:

Deixe abaixo o seu comentário: